Deni Nascimento e Gunnar Dums vencem o RN 1500, um dos ralis mais duros e belos do circuito nacional

A bordo do Maverick X3, a dupla apoiada pela Can-Am se destacou ao longo dos 4 dias de prova, chegando ao final com tempo de 14h36m25s

 

 

Chegou ao final o Rally RN 1500, uma das mais importantes e tradicionais provas do rali cross-country brasileiro, e mais uma vez a Can-Am reforçou sua hegemonia nas competições. Dentre os dez primeiros colocados, os nove primeiros foram UTVs da marca. E mais: no total, a edição 2022 do RN1500 contou com 58 UTVs Can-Am. E o lugar mais alto do pódio ficou com a dupla Deni Nascimento e Gunnar Dums (Can-Am Bompack Racing), que terminou o quarto dia de provas de maneira impecável, com o tempo acumulado de 14h36m25s, sem qualquer penalidade. Bruno Varela e Matheus Mazzei ficaram com a segunda posição geral, enquanto os companheiros de equipe Reinaldo Varela e Arthur Carneiro (Varela Can-Am Monster Energy) com a oitava.

Competição considerada das mais duras e belas do circuito nacional por pilotos e navegadores, a 24ª edição da RN 1500, cujo tema foi “Os caminhos portugueses no sertão nordestino”, transcorreu de 19 a 23 de abril, com os primeiros dias dedicados a vistorias e prólogo e outros quatro de especiais cronometradas com mais de mil quilômetros de percurso entre a Paraíba e o Rio Grande do Norte. E, mais uma vez, contou pontos para os Campeonatos Brasileiros de Rally Cross Country das Confederações Brasileiras de Automobilismo (CBA) e Motociclismo (CBM). A Can-Am também esteve presente como uma das apoiadoras da prova.

Com esses resultados, o Can-Am Maverick X3 soma mais um título da competição, com os mesmos pilotos apoiados nas últimas disputas, sendo Deni Nascimento vencedor também da edição 2020 e Bruno Varela a de 2021. O campeão de 2022 reforçou que o RN 1500 é uma das provas mais duras do circuito, ainda mais porque neste ano os trechos de especiais foram mais longos, com no mínimo 200 quilômetros. “Foi uma quebradeira todos os dias, especialmente pelo fato de ter chovido muito. Tivemos muitos trechos alagados o que acabou exigindo muito de nós nas especiais, mas, mais uma vez, o Maverick X3 surpreendeu. É realmente um veículo formidável nos mostrando o tempo todo o quanto suporta os extremos. Passamos por tantas pedras, buracos, erosão, mas principalmente água, com poças e rios. Na maioria conseguimos flutuar e nos que não conseguimos, mergulhamos literalmente com água por todo lado. Gunnar e eu tomamos altos banhos, mas o Maverick X3 seguia firme, provando que o UTV resiste bravamente”, contou Deni Nascimento.

Outra dificuldade enfrentada pela dupla campeã foi a comunicação. Por conta da grande quantidade de água, incluindo as chuvas que ocorreram todos os dias de prova, a comunicação entre piloto e navegador ficou bastante comprometida por conta dos microfones molhados. Interferência e muito chiado, que chegavam a doer nos ouvidos, fizeram com que ambos precisassem se comunicar apenas por gestos e sinais, o que tornou ainda mais difícil cada etapa: “Passamos perrengues em todas as especiais. Por mais que a gente secasse e isolasse os microfones, não adiantava porque no outro dia tínhamos água por todos os lados novamente. Então, o sabor da vitória fica ainda mais especial. Só tenho a agradecer ao Gunnar, à equipe que nos entregava o veículo zerado todos os dias e à Can-Am por todo o apoio”.

Helena Deyama e Josi Koerich, da equipe Can-Am MUSA Brasil, encerraram a competição em vigésimo-nono lugar dentre os 63 UTVs que concluíram a prova.

Família Poeira

Com cinco vitórias ao longo de 23 edições, três das quais pelas mãos de Bruno Varela, a equipe Can-Am Monster Energy, mais uma vez se saiu muito bem na prova vista entre as mais complexas do off-road nacional. As outras duas vitórias foram registradas pelo pai de Bruno, o tricampeão mundial Reinaldo Varela, que terminou na primeira colocação da classificação geral em 2011 e 2016.

Classificação geral do Rally RN 1500 2022 nos UTVs (extraoficial)

  1. Deni Nascimento e Gunnar Dums – Can-Am – 14h36m25s
  2. Bruno Varela e Matheus Mazzei – Can-Am – + 02:43 min
  3. Fábio Pirondi e Marcelo Ritter – Can-Am – + 11:09 min
  4. Francesco Franciosi e Ana Paula Franciosi – Can-Am – + 15:31 min
  5. Cristiano Batista e Robledo Nicoletti – Can-Am – +18:37 min
  6. Thiago Torres e Eduardo Shiga – Polaris – + 21:01 min
  7. Vinícius de Castro e João Vitor Ribeiro – Can-Am – + 24:33 min
  8. Reinaldo Varela e Arthur Carneiro – Can-Am – + 25:00 min
  9. André Hort e Idali Bosse – Can-Am – + 28:07 min

Maxwell Fernandes e George Martins – Can-Am – + 31:46 min

Bruno Varela e Matheus Mazzei

Muitos trechos de água tornaram a competição ainda mais difícil

Deni Nascimento e Gunnar Dums

Reinaldo Varela e Arthur Carneiro

*Fotos: Sanderson Pereira